meandros

segunda-feira, março 13, 2006

leminski & wojciechowski

O muito belíssimo texto abaixo esteve presente no blog do Polaco da Barreirinha e no jornal de poesia Nicolau. De vez em quando aparecem um exemplares gratuítos na livraria do Chain. Descole o seu. Diagramação e ilustrações imbatíveis, textos curtos e deliciosos. Excelente leitura para banheiro (o jornal, não o blog).


O dia em que encontrei o Paulo Leminski

com a camisa do coxa.

Encontro o polaco, no meio da madrugada. Alegrinhos, eu e ele. - Onde você esteve todos esses dias em que eu lhe lia? - pergunto ainda abatido pelas notícias de sua morte.
- Por aí, brincando no judô e lutando com a poesia.
- Vivo ou morto?
- Isso ninguém sabe.
- ?!
- Como é que estão o Solda, Retta, Alice Ruiz, Marcos e Roberto Prado, Sérgio Viralobos, Wilson Bueno, Fernando, Reinoldo, Hamilton e a minha querida Helena Kolody?
- E o Cardoso??, argúo antes de responder.
- Abriu outro Bar do Cardoso, lá. Está declamando cada vez melhor.
- Lá?
- É.
- Onde fica lá?
- Isso ninguém sabe.
- ?!
- Em que ano nós estamos?
- 7 de junho de 1996.
- Porra!!
- O que deu em você de me aparecer assim no meio da madruga?
- Saudades de Curitiba. E você ainda não me respondeu como é que está a turma toda.
- Bem, bem. Todo mundo com livro novo. Curita, em matéria de poesia, é de morte mesmo, né?
- Eu que o diga.
- O que você quer dizer exatamente com isso?
- Quero dizer que vamos sentar em algum lugar e beber. Estou morto de vontade de umas vodkas e muitas cervejinhas.
- Vamos lá, no Estorvo, o bar do Cobaia, um jovem poeta que você precisa conhecer.
- Você falou lá?
- Falei, mas este lá eu sei onde fica.
Fomos. No caminho reparo que o Leminski está com a camisa do Coritiba.
- Você não é atleticano ?
- Era. Evoluí, lá.
Fico feliz, sou coxa-branca roxo, todo mundo sabe. Sentamos, frente à frente. Ele, forte, saudável, dentes brancos, barba feita, bigode impecável, parece ter rejuvenescido 20 anos; eu, daquele jeitão de sempre.
- Ahhh! que saudades, cara. Não tomava uma dessas há anos.
- E o Bar do Cardoso, lá não tem bebida?
- Isso ninguém sabe.
- Mas você não vai lá ?
- Às vezes.
- E então ?
- Então, o quê?
- !?
Entre versos, prosas, goles, tiradas espirituosas, trocadalhos do carilho, goles, teorias, filosofices, piadas, comentários, goles, análises, adendos, réplicas, goles, tréplicas, observações, picuinhas e aleivosias, tomamos todas, literalmente. Trôpegos, vimos o sol nascer e o bar se pôr. Rindo, entre um abraço, um cambaleio e outro poema, me despeço: “eu vou pra lá e você?”.
- Eu também.

Antonio Thadeu Wojciechowski

2 Comments:

  • muito boa!

    mas, onde encontro isso? Qual é o título? é de graça?

    By Anonymous catatau, at 10:17 PM  

  • O jornal chama-se "Nicolau". Está na segunda edição. É grátis, como o "Rascunho". Agora não tem, mas logo deve aparecer novamente no Chain.

    By Blogger Leandro, at 10:49 PM  

Postar um comentário

<< Home