meandros

segunda-feira, abril 10, 2006

quadrinhos

Quem gosta de ler histórias em quadrinhos, tambémconhecidascomo HQ, não pode se queixar da diversidade de boas opções no mercado editorial brasileiro. Muita coisa boa por aí.

Eu disse que não pode se queixar da diversidade. Do preço pode. Depois que os bons quadrinhos deixaram um pouco de lado as banquinhas de revistas e passaram a habitar as livrarias, a qualidade gráfica melhorou, passaram a ser chamados de grafic novels e o preço foi lá em cima. É justo, pois eles não ficam apenas um mês em cartaz e ganharam o devido respeito. Mas é caro.

Falando no diabo do respeito, já era tempo dos quadrinhos serem levados a sério pela mídia. Serem considerados como (nona) arte e não apenas diversão despretenciosa para crianças/adolescentes/piás pançudos. Nem como sinônimo de super-heróis com roupas coladinhas, músculos e roteiros previsíveis.

O aumento da qualidade e da seriedade dos quadrinhos está relacionado a (re)publicação de grande clássicos que, ou nunca passaram pelo Brasil, ou recebem só agora edições a altura. Falo de Corto Maltese, Buda, Maus, V de Vingança, Persépolis e outros.

Mas em especial de um bom quadrinho que ainda pode se encontrar nas bancas: Lobo Solitário. É a história de um ronin que no japão medieval busca a recuperação de sua honra junto com seu filho pequeno de três anos.


De solitário o Lobo não tem nada. É um erro de tradução. O título foi traduzido do inglês, Lone Wolf, mas em japonês equivale a Lobo e seu Filhote. Assim como o Cavaleiro Solitário, mal traduzido aqui como Zorro, que também de solitário não tinha nada pois seu amigo, o índio Tonto, sempre o acompanhava. Usando pistolas com balas de prata, era um cowboys que, pela íntima presença de seu fiel escudeiro, é possível dizer que antecedeu "O Segredo de Brokeback Montain". A confusão dele foi feita com o verdadeiro Zorro, este sim solitário e o que marcava um Z com sua espada.

Mas voltando ao Lobo Solitário, é leitura altamente recomendada. Excelente roteiro, pioneiro na utilização de
flashbacks em mangá. Desenho compentente, saídas visuais para contar uma boa história impecáveis. Cronologia que aocmpanha o avanço real da natureza e dos personagens: à medida em que as estações passam e se mostram no mangá, o filho do Lobo Solitário fica mais velho e mais maduro e a trama aumenta de complexidade e envolvimento.

Está dada a dica. Se for gastar o seu dinheiro, gaste bem.

3 Comments:

  • taí um gibi dos melhores que já foram feitos... estou ansioso para ler, mein freud!

    By Anonymous catatau, at 1:08 AM  

  • logo logo passa o filme, hehehe

    aliás, estou babando pelo 300

    By Anonymous catatau, at 1:09 AM  

  • Bem lembrado, Pitu!

    Uma das razões que esqueci de mencionar sobre o atual prestígios das HQ´s é o interesse cinematográfico por elas..

    By Blogger Leandro, at 4:17 PM  

Postar um comentário

<< Home