meandros

sábado, maio 20, 2006

essa poesia é do baralho!

Já li e ouvi muitas versões diferentes deste texto. Parece-me que o original é francês e remonta a algumas centenas de anos atrás. Uma versão diferente em inglês apareceu na região de Nova Orleans, acompanhada de um solo de blues. Aqui no Brasil, a versão mais famosa é do Leandro Gomes de Barros, na forma de literatura de cordel. No entanto picocam várias versões por aí, cada qual com alguma coisa diferente.

Compilando o que achei melhor de cada versão (ou retirando o que não gostei), fiz uma versão própria, com alguns adendos para criar ritmo, humor e visão teológica coerente comigo mesmo... Tá bom, vamos lá.



O JOGADOR

um domingo eu fui à missa
cumprir minha obrigação
mas por eu não ter um livro de reza
levei um baralho na mão

Eu tava dentro da igreja com meu baralho elevado
e não vi perto de mim um sargento ajoelhado
com pouca demora na igreja foram entrando 2 soldados
chegou pra mim e disse: moço, o senhor está intimado,
o doutor mandou chamar para ser interrogado

E logo que eu cheguei na presença do doutor
ele foi me xingando, chamando de pecador
perguntou se na igreja é lugar de jogador

Eu fui respondi pra ele: vou fazer a explicação
depois de bem explicado o senhor vai me dar razão
pois verá que em todo baralho tem a sincera devoção

É que quando eu pego no Ás, que tem uma pinta somente
eu me lembro que existe só um Deus aqui com a gente
E quando chamamos por Ele, Ele esta sempre presente

quando eu pego no 2, com gosto me lembro eu
que em 2 tábuas de pedras o Criador escreveu
os 10 mandamentos sagrados pra salvar os filhos seus

E quando eu pego no 3, eu pego com sinceridade
me lembro das 3 pessoas da Santíssima Trindade
Pai, Filho, Espírito Santo num só Deus de Verdade

E quando eu pego no 4, em 4 paus encruzados
eu me lembro que com 4 cravos Jesus foi cravejado
foi preso sem cometer crime, morreu sem dever pecado

E quando eu pego no 5, me lembro daquele dia de dor
das 5 chagas doídas que sofreu o nosso Senhor
derramou todo o seu sangue pra salvar o pecador

E quando eu pego no 6, me vem na imaginação
dos 6 dias da semana na obra da criação
em 6 dias Deus fez tudo sem em nada por a mão

E quando eu pego no 7, me lembro da hora, hora triste magoada
Dos 7 passos de Cristo na sua paixão sagrada
com 7 espadas de dor a mãe de Deus foi cravada

E quando eu pego no 8, que 8 pintas contém
eu me lembro que não se deve armar falsos de ninguém
quem arma falso dos outros, perdão no céu não tem

E quando eu pego no 9, me vem na imaginação
dos nove meses de gestante da divina encarnação
que Jesus passou no ventre da Virgem de Conceição

Quando eu pego no 10, não posso mais me esquecer
que os 10 mandamentos ficaram para o homem se reger
quem cumpre os 10 mandamentos não quer sua alma perder

E quando eu pego na dama, me lembro da Virgem Maria
De certo não fosse ela e de nós o que seria?
Se ela é a mãe de Deus e do pecador na agonia

Quando eu pego no rei, vem logo na minha memória
que Jesus Cristo poderoso é o divino rei da glória
que não precisa de força pra alcançar a vitória

E foi assim doutor, que na igreja eu fui rezar
agora estou às suas ordem para o que o senhor desejar
ou me põe na cadeia ou me deixe retirar

O delegado pensou, pensou, não achou o que falar
viu que eu estava certo, começou a perguntar
qual a razão que eu deixei o valete sem contar

Ora, seu doutor, o valete é uma carta ruim
por isso quando eu compro um baralho, no valete eu dou um fim
Pois parece com esse sargento que veio dar parte de mim



12 Comments:

  • É boa, Leandro. Me divertiu.

    Grande abraço

    Thadeu

    By Blogger polacodabarreirinha, at 4:12 PM  

  • Leandro, este escrito seu é de 2006, logo não sei se ainda comporta comentário. Ouvi este poema lá pelos anos 50/60 por um palhaço de circo. Reescrevi há uns poucos anos quase como você, com rudimentos das lembranças e conceitos religiosos, mas vou aproveitar algumas partes do seu poema. Meu irmão ouviu na TV com Tiririca, gostou mais da declamação do Tiririca do que da minha. Felicidade. Léia

    By Anonymous Anônimo, at 9:05 PM  

  • Meu nome é Rafael,

    Acredito que foi no ano de 1970 ou 1971, eu estudava em uma escola localizada em uma fazenda de nome NADO, onde eu morava com meus pais e irmãos,no município de Livramento de Nossa Senhora - BA. O meu professor, de nome Sizernando, pediu para que recitasse um poema em uma data comemorativa, que não me lembro mais. Meu pai tinha uma radiola e alguns discos, entre eles estava um que tinha este mesmo poema e eu decorei e fui apresentar levando um baralho com as cartas em ordem de apresentação. Foi um sucesso. Hoje moro em Salvador, mas quando as pessoas que ainda moram naquela localidade me encontram lembram, porém eu não lembrava mais desse poema, só agora por acaso brincando no google encontrei e quando lí foi como se eu estivesse naquele dia.

    Oxalá meu rei!

    By Blogger Rafael, at 11:16 PM  

  • Este comentário foi removido pelo autor.

    By Blogger Rafael, at 11:16 PM  

  • MEU NOME E JAQUELINE

    GOSTEI MUITO DO POEMA E ACHO QUE TEM TODO O SENTIDO

    By Anonymous JAQUELINE, at 4:14 PM  

  • minha nossa , chego a chorar ao ler ou ouvir este poema , tenho 46 anos e quando criança minha avo recitava ele para dormirmos , adorava , e adorei este tb , parabens .

    By Blogger Edvaldo Vaz, at 1:11 PM  

  • minha nossa , chego a chorar ao ler ou ouvir este poema , tenho 46 anos e quando criança minha avo recitava ele para dormirmos , adorava , e adorei este tb , parabens .

    By Blogger Edvaldo Vaz, at 1:12 PM  

  • minha nossa , chego a chorar ao ler ou ouvir este poema , tenho 46 anos e quando criança minha avo recitava ele para dormirmos , adorava , e adorei este tb , parabens .

    By Blogger Edvaldo Vaz, at 1:12 PM  

  • minha nossa , chego a chorar ao ler ou ouvir este poema , tenho 46 anos e quando criança minha avo recitava ele para dormirmos , adorava , e adorei este tb , parabens .

    By Blogger Edvaldo Vaz, at 1:13 PM  

  • minha nossa , chego a chorar ao ler ou ouvir este poema , tenho 46 anos e quando criança minha avo recitava ele para dormirmos , adorava , e adorei este tb , parabens .

    By Blogger Edvaldo Vaz, at 1:13 PM  

  • Meu nome é Nílton e tenho 43anos quando eu era pequeno meu tio Francisco recitava esse poema . tenho muitas saudades.

    By Blogger Nilton Cézar Milhan, at 8:43 PM  

  • Sou Paulo Henrique Milhan, irmão do Nilton Cézar Milhan do comentário aí em cima. É verdade mano, quando crianças ouvíamos o tio Francisco declamar essa poesia pra nós!

    By Blogger Paulo Milhan, at 8:28 PM  

Postar um comentário

<< Home