meandros

terça-feira, novembro 21, 2006

neurodiversidade



Independente de gênero, de credo, de raça, de orientação sexual. Acrescente-se: "E de estilo mental."

É o que propõe os criadores do termo neurodiversidade. Tais criadores são autistas (ou pessoas com Síndrome de Asperger, um quadro muito semelhante ao autismo, porém com maior facilidade na comunicação) e defendem a polêmica idéia de que o Autismo não é uma doença, mas um estilo de vida. E que seu tratamento acaba por descaracterizá-los, destruindo sua personalidade original para que se pareçam mais com os neurotípicos.

Em tom de brincadeira, criaram até o Instituto para o Estudo dos Neurotípicos, que responde exatamente o que é um neurotípico:

A síndrome do Neurotípico (NT) é uma doença neurobiológica genética caracterizada por preocupação com a sociedade, mania de superioridade e obsessão por conformidade.

Neurotípicos acreditam que a experiência que eles tem do mundo é a única correta. Eles têm dificuldade de ficarem sós, muitas vezes são intolerantes compequenas diferenças em outras pessoas.
Em grupos, NT seguem uma rigidez social e frequentemente produzem rituais destrutivos, não saudáveis e até impossíveis para manter a sua identidade. NT´s têm uma dificuldade de falar diretamente e costumam mentir muito mais do que as pessoas de espectro autista. Acredita-se que a NT é de origem genética.

Autópsias demonstraram que o cérebros dos neurotípicos é geralmente menor do que o do indivíduo autista e pode ter as áreas relacionados ao comportamento social hipertrofiadas.


O fato é que, assim como os Surdos a partir de meados do séc. XX organizaram-se e difundiram a idéia de uma Cultura Surda, agora com a proliferação das comunidades pela internet chegou a hora dos Autistas... Leia mais aqui.


5 Comments:

  • olha, não vi as referencias, mas a idéia é muito interessante! especialmente nessa reversibilidade que 'ironicamente' os autistas sugerem. E olhe que, por trás dessa brincadeira, existe coisa bem séria...

    ótimo post!

    By Anonymous catatau, at 4:55 PM  

  • Fiquei me perguntando se não vai haver um sistema de cotas para admissão de neurotípicos nas universidades, nas empresas...

    Abraço & stay brilliant.

    By Blogger Caco, at 11:05 PM  

  • Existe justificativa para tudo...

    Mas muito bom o post-it.

    By Anonymous Marcos César, at 9:01 PM  

  • Eu nao havia pensado nas cotas mas já que voce mencionou, faz sentido, se pensarmos que ninguem escolhe ser prejudicado: ninguem é mulher ou homem, jovem ou velho, gay ou hetero, branco ou negro, compulsivo ou autocontrolado, simpatico ou antipatico, neurotípico ou atípico por escolha própria nem por esforço próprio.
    Enquanto a sociedade for preconceituosa e discriminatória, ações afirmativas de vários tipos, cotas inclusive, são medidas compensatórias que podem favorecer a inclusão e a justiça.

    By Blogger Lolita, at 5:20 AM  

  • Estou tentando confirmar a seguinte notícia, mas ainda não sei se é verdadeira ou falsa. Por favor, não difundir sem esclarecer isso:
    Um laboratório internacional estaria testando uma poderosa droga contra o NT. Estudos preliminares secretos talvez foram realizados com uma tribo da amazônia com grande sucesso do desaparecimento dos sintomas do NT em 67,52% da população. Entretanto, existiria preocupação em círculos militares, porque os aborígenes teriam se negado a fazer a guera com a tribo vizinha, um efeito colateral indesejado.

    By Anonymous Anônimo, at 4:32 PM  

Postar um comentário

<< Home