meandros

quarta-feira, dezembro 20, 2006

polonês ou polaco?


No bom caldo cultural e étnico brasileiro, os emigrantes da Polônia deram boa parte de contribuição, em especial no estado do Paraná. Dentre as etnias européias que realizaram a colonização, a discriminação foi maior com este grupo de eslavos. Tanto é que uma expressão comum a até pouco tempo era de que "um polaco é um preto do avesso", referindo-se aqui a outro grupo étnico claramente discriminado.

A identidade cultural dos polacos no Brasil foi de tal maneira fragilizada que a própria auto-referência não estava clara. Eram polacos ou poloneses? Polaco virou sinônimo de xingamento e polonês era a forma culta do termo, para quem quisesse se referir a um piá loirinho sem querer ofender. Mas em todas as línguas latinas (com excessão do francês) o cidadão nascido na Polônia e o seu descendente é o polaco, inclusive no português de Portugal.

O jornalista Ulisses Iarochinski, autor do excelente livro "A Saga dos Polacos", esclarece nesse artigo como os cariocas (!) e o embaixador da França (!) determinaram como ficariam conhecidos os filhos da Polônia no Brasil. Confira aqui alguns trechos:

...a origem da utilização da palavra “Polaco”, como termo depreciativo, teria tido início no começo do século XX, na cidade do Rio de Janeiro, quando o proprietário do Cassino da Urca trouxe prostitutas européias para trabalhar em seu estabelecimento de jogos. Como estas mulheres eram em sua maioria loiras como as “Polacas” do Sul do Brasil, a população começou a qualificá-las de “Polacas”. Num momento imediatamente posterior, a população carioca passou a denominar qualquer prostituta, fosse loira, preta, branca, amarela ou índia com o termo “Polaca”.

...o termo “Polaca” deixou de ser usado para designar a nacionalidade de um povo e se transformou em sinônimo de prostituição. A expressão “Polaca” virou palavrão e passou a equivaler ao popular “Filho da Puta”. Os filhos dos primeiros imigrantes “Polacos” cresceram ouvindo ofensas dos brasileiros de outras etnias. À esta expressão “filho de Polaca”, de cunho pejorativo, juntaram-se outras como: “Polaco” burro e “Polaco” sem bandeira (em função da Polônia nesta época estar ocupada por potências estrangeiras).

Com razão, algumas das gerações de filhos de imigrantes “Polacos” rejeitam o termo. A grande maioria, sem domínio preciso do idioma português, acabava por fugir e se esconder sob o manto de outras etnias. Os mais instruídos trataram de abolir completamente qualquer vínculo com suas origens e rechaçar a denominação de descendentes de “Polacos”.

Toda esta discussão e polêmica, toda esta história de preconceito acabou por causar o afrancesamento do termo, muito provavelmente a partir de 1927. Ano em que foi cunhado o termo polonês, derivado do franco “polonais”. Registros orais atestam que a criação do termo “polonês” teria sido obra do então Embaixador da França no Brasil, que teria sugerido ao primeiro Cônsul Geral da Polônia, em Curitiba, o uso da palavra francesa que designa o gentio daquele país, no lugar da péssima conotação do termo português “Polaco”.


Ah, eu não sou polonês. Eu sou polaco!


3 Comments:

  • Grato pela referência. Somos polacos então. Oczywiscie

    By Anonymous Ulisses Iarochinski, at 10:37 AM  

  • Este comentário foi removido pelo autor.

    By Blogger ERVA MATE VERDE REAL, at 2:23 PM  

  • Valeu pelo esclarecimento pois sempre usei-me chamar de polaca na inoscência ao perceber a história do termo comecei a ficar constrangida mas entendendo agora e tanto faz polaca, polanaise polonesa... sou mais uma
    Lucilene Wielesweski Lichiewesky

    By Anonymous Anônimo, at 2:25 PM  

Postar um comentário

<< Home